Copyright © Um Tesouro no Céu
Design by Dzignine
domingo, 10 de janeiro de 2010

Geração Livre














Talvez  a      grande  maioria  das  pessoas    firmam    os  seus  valores  e  traçam  os  rumos  de  sua  vida  muito  mais  em  função  das  influências  externas  do  que  pela  busca  de  um  espaço  propriamente  seu.        Essa  realidade  na  maioria  das  vezes  não  é  algo  determinado  ao  nível  de  uma  consciência  crítica,  mas  uma  reação  natural  diante  de  experiências  que  se  tornaram  marcantes,    especialmente  quando  negativas.      

Hoje  mesmo  encontrei    na  rua  um  conhecido  a  quem  não  via  há  muitos  anos.      Ao  convidá-lo  para  assistir  a  uma  de  nossas  reuniões,    ele  alegou  que  sua  vida  tem  sido  quase  que    exclusivamente    dedicada  ao  trabalho,    pois      como  filho  de  pais  pobres  e  separados,  deseja    construir  um  futuro    diferente  para  a  os    seus  filhos.    Contudo,  no  decorrer  da  conversa  ele  acabou  confessando  que  esse  estilo  de  vida    o  tem  tornado  um  pai  ausente.  


Ora,  será  que  tendo  passado  pela  experiência  de  ter  um  pai  ausente,  ele  iria  projetar  para  sua  própria  família  o  mesmo  modelo?    Ao  nível    racional,  é  lógico  que  não,    contudo  a    experiência  negativa  das  necessidades    que  vivenciou  ao  lado  de  sua      mãe,    fez  com  que  ele  colocasse  os  seus  olhos  unicamente  na  questão  econômica  e  assim,  mesmo  encontrando  muitas  formas  de    justificar-se,      não  somente  agora  copia  o  modelo  do  pai,  no  sentido  de  sua    omissão  dentro  do  lar,  como  também  torna-se  um  sério  candidato  à  separação.  

Não  é  estranho,  que  mesmo  abominando  a  conduta  de  seu  pai,  ele  acabe  incorrendo  nos  mesmos  erros?        A  explicação  é  lógica:  As    feridas    que  as  experiências  negativas    produzem  em  nossas  emoções,  especialmente  quando  causadas  pelos  pais,    acabam  desencadeando  uma    série  de  reações  que  roubam  a  racionalidade  e  o  equilíbrio    das  nossas  próprias  escolhas.    Assim,  ainda  que  desejando  fazer  exatamente  o  contrário  daquilo  que    eles  fizeram,  acabamos  trilhando  um  caminho  semelhante.

Há  poucos  dias  durante  nosso  culto  dominical,  ao  olhar    para  as  pessoas  que  estavam  diante  de  mim,  me  dei  conta    que  a  grande  maioria  nós,    pois  eu  também  estava  incluído  entre  elas,    éramos    filhos    de  pais  alcoólatras.      Naquela  hora,  fui  tomado  de  grande  alegria,  por  me  dar  conta  de  que  nós  representávamos  concretamente  o    resultado    da  obra  que  Jesus  veio  realizar:  “Disse,  pois,  Jesus  aos  Judeus  que  haviam  crido  nele:  Se  vós  permanecerdes  na  minha  palavra,  sois  verdadeiramente  meus  discípulos;  e  conhecereis  a  verdade,  e  a  verdade  vos  libertará.    Responderam-lhe:  Somos  descendência  de  Abraão  e  jamais  fomos  escravos  de  alguém;  como  dizes  tu:  Sereis  livres?    Replicou-lhes  Jesus:  Em  verdade,  em  verdade  vos  digo:  Todo  o  que  comete  pecado  é  escravo  do  pecado.    O  escravo  não  fica  sempre  na  casa;  o  filho  sim,  para  sempre.    Se,  pois,  o  Filho  vos  libertar,  verdadeiramente  sereis  livres”.  –  João  8.31-36.

Uma  das  questões  que  impactou    mais  profundamente  a  minha  vida  quando  conheci  o  Evangelho,  foi  saber  que  em  Cristo  eu  era  uma  nova  criatura.  Sim,  a  partir  da  minha  conversão,  meu  passado  estava  apagado,  minhas  feridas  interiores  começaram  a  ser  curadas  e,    independentemente  do  impacto  que  os  modelos  positivos  ou  negativos  haviam  produzido  em  minha  identidade,  eu  agora  podia    repensar  a  vida  com  isenção  e  clareza.    Não  existe  maior  glória  do  que  conseguir  dar  esse  salto  para  fora  do  círculo  vicioso  do  pecado,  onde  nada  mais  há  que  possa  nos  obrigar    a  ser  aquilo  que  de  fato  não  queremos  ser.

Prezado  leitor:  Foi  fantástico,    ali  naquele  culto,    perceber  que  essa  experiência  não  era  somente  minha.    Diante  dos  meus  olhos  eu  podia    ver  uma    geração  livre;  pessoas  capazes  de  projetar  para  si  mesmas  e  para  seus  descendentes  um  futuro  de  bênção,  bênção  que,  em  Jesus,    também    está  à    sua  disposição.


JESUS,  A  OPÇÃO  DA  VIDA!
Pr.Armando Paulo Castoldi
Pres. Assembléia Janz Team Brasil

0 comentários:

Postar um comentário

Recent Visitors

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...